Feeds:
Posts
Comentários

Archive for maio \16\UTC 2010

L´amour

Comecei a ler Pai Goriot, comovida ainda pela história de vida de Balzac.  Mas algo que me encantou, além da prosa adjetivada do francês, foi uma frase que ele usou de Voltaire referindo-se ao amor:

Quem quer que sejas, eis o teu senhor: É-o, foi-o ou há de sê-lo.

Que perfeito. De fato é o amor que governa.  Amor a Deus, a nós , aos nossos, ao próximo.

Anúncios

Read Full Post »

Dieta. Snif.

Minha cozinha está de portas semi cerradas devido a um regime que inventei de fazer. Uns quilinhos a menos não faz mal a ninguém. As consequências de minhas extravagâncias culinárias se refletem nas calças que apertaram, mas que insisto em usar. Comprar um manequim a mais? Ah, não. Nunca. Lembro-me de Audrey Hepburn e aquele corpinho de sílfide onde tudo cai bem… Cheguei a conclusão que meu gosto por cozinhar não implica necessariamente em ter que comer. Sou feliz cozinhando para os outros, embora eu dê uma provadinha. 🙂

Read Full Post »

Assisti a uma minissérie sobre a vida e obra de um dos escritores mais prolíficos da literatura francesa:  Balzac.  Adorei saber que Victor Hugo e ele eram amigos e que Balzac era fã de Stendhal. Que delícia. Meus franceses se frequentavam e eu frequento os três.

Uma questão que me deixou intrigada foi a semelhança do personagem fictício Javert, de Victor Hugo(Os Miseráveis) e o Oficial de Justiça, Plissoud, que perseguia Balzac com suas cobranças financeiras.  Se Plissoud foi real, ou se de fato existiu um cobrador mais veemente que atormentava Honoré, então Javert foi criado à sua imagem… 

Por que a sociedade não reconhece os seus gênios enquanto ainda estão vivos?  Felizmente, a obra sobrevive ao homem. Estava pensando em deixar um pouco a literatura russa e voltar à francesa.
A princípio, inspirada pela vontade de fazer as madeleines proustianas, ia retomar a leitura de Em busca do Tempo Perdido…  Mas agora sinto que preciso ler algo mais de Balzac, em sua homenagem.

Read Full Post »

Depois de muita insistência do irmão louco por muffins, resolvi preparar os seus favoritos de banana com nozes. Acho que somos responsáveis pelos estômagos que cativamos. De que adianta criar dependência se não alimentamos os seus vícios? Eu adoro quando me pedem por comida.

Descobri que a mistura de nozes e bananas era perfeita quando vi a Bree, do Desperate Housewifes, preparar alguns muffins para sua vizinha Eddie. A ruiva foi chantageada pela loira, o que me deixou muito curiosa. Que espécie de chantagem é esta que obriga uma pessoa a cozinhar algo tão específico? Descobri depois que fiz… Que delícia. 😉
A propósito de chantagens… Nunca fiz os bolinhos de chuva que Tia Anastácia preparava para o Minotauro… Até hoje tenho vontade de comer.

Voltando para os muffins..Temos muitas nozes lá em casa que sobraram do Natal. O problema é que as bichinhas estão com cascas e eu não possuo um quebra-nozes. O jeito é martelar. Vale o sacrifício. Infelizmente não posso reproduzir em imagem os aromas e sabores… Deveria ter me dedicado mais ao fotojornalismo. Snif

Read Full Post »

Eu tenho uma sina de perder amigos para outros estados e países. Todos com quem um dia compartilhei os meus segredos, foram-se. Escrevendo isto, pergunto-me se não foram os meus pecadilhos confidenciados que os catapultaram para longe.
Se Nelson Rodrigues tiver razão – e creio que tem – estou enganada. Diz ele que a confissão de virtudes não interessa nem a um padre… Também me vem à mente Álvaro de Campos… Que clama por ouvir a voz que confessa não um pecado, mas infâmias reais e humanas.
Assim, confortavelmente deitada no colchão de molas ensacadas da literatura e acobertada pelos seus mestres, eu me absolvo da culpa de ter expulsado os amigos com quem dividi as minhas histórias.

Paulinho, que me envia a receita que posto abaixo, foi mais um destes que surgiram e sumiram. Mas eu compreendo que seu espírito refinado tenha necessitado trocar as terras maurícias pelo charmoso bairro do Leblon, no Rio.
Foi em sua casa que comi pela primeira vez o molho pesto, feito divinamente pelas suas mãos…. Confio completamente no seu gosto culinário(e musical)…
Pena que seus talentos, outrora compartilhados, hoje são esbanjados tão longe de mim. Humpf

Eis o que me escreve:

Dados os meus hábitos perdulários dos fins de semana, sou adepto ferrenho da idéia de um brunch absurdo aos sábados e domingos. Não passo nenhum dia desses sem meia dúzia de panquecas (à moda americana) e croissants, queijos, pãezinhos mornos, litros de suco de laranja, café e geléias. Experimenta as panquecas com maple syrup (tu achas na casa dos frios, a uns 25 reais o vidro. É caro, mas vale cada tostão empregado.

Para umas oito panquecas:

– Duas xícaras de farinha sem fermento
– Duas xícaras de leite em temperatura ambiente
Uma colher de sopa de açúcar 
 Uma colher de chá de sal
Uma colher de sopa de fermento
– Um ovo
Duas colheres de sopa de óleo (eu uso azeite mesmo, mas prefiro usar um espanhol, menos aromático)

Não pode ser mais fácil fazer:

Peneire a farinha com o fermento, acrescente o sal e o açúcar. Misture. Junte o ovo e o óleo, e vá juntando o leite aos pouquinhos. Com uma concha, vá colocando numa frigideira, uma concha por vez. Et voilà! Amo.

——

Nossa… Eu que amo amigos que amam cozinhar. E detalhe.. Somente os mais finos e fofos o fazem.

À bientôt, chéri.

Read Full Post »

Acabo de receber este email de um amigo. 😉

Depois de tantos pedidos, segue minha receita mais famosa.

Bacalhau com cerveja

Ingredientes: bacalhau, azeite, pimentão, alho, cebola, azeitonas, batatas, sal, cerveja e mulher.

Modo de preparo: Ponha a mulher na cozinha com os ingredientes e feche a porta.

Tome cerveja durante duas horas e depois peça para ser servido.
É uma delícia e quase não dá trabalho nenhum!!!

Read Full Post »